quinta-feira, 18 de setembro de 2014

Choro nos olhos

Natal, 18/09/2014

Quando eu te deixei, meu bem
Lhe disse pra ser feliz e passar bem
Não quis morrer de ciúme, quase enlouqueci
Mas depois, como era de costume, entorpeci

Quando eu te quiser rever
Pretendo estar refeito, quero crer
Choro nos olhos, quero ver o que você faz
Ao sentir que por você eu passo mal demais

E que venho até hesitando
Me pego chorando
Sem mais nem porquê
E tantas lágrimas rolaram
Poucos homens me amaram
Mas nem mais nem melhor que você

Quando talvez precisar de mim
Cê sabe que a casa não é mais sua, nem assim
Choro nos olhos, quero ver o que você diz

Quero ver como se porta ao me ver tão infeliz

quarta-feira, 17 de setembro de 2014

Não quero lhe falhar, meu grande amor ...

Natal, 17/09/2014.
Minha dor é perceber que apesar de termos feito tudo, tudo, tudo o que fizemos, nós já não somos os mesmos nem vivemos ...
Há momentos em que esta vida se parece desvivida, desvaída, esvaída: desvida. E de um simples som surdo, sibilante, parece nunca ser capaz de se tornar sonoro, vibrante. De desvida para dezvida há uma lacuna muito maior do que apenas uma sonorização. Falta algo vibrante.
Ou sobra algo vibrante que te inunda de ternura e te faz pensar que tudo é eterno e deixa-te sem perceber que tudo é terno enquanto dura ... e a ternura se transforma em algo eterno, solidão.
Solidão que te acompanha por todos os momentos em percebe que não quer ter de dizer que sente saudade, que sente vontade, que sente desejo, que sente anseio, que sente receio ... que sente tudo ... solidão que te assola quando percebes que sentiu tudo isso, que disse tudo isso sem abrir a boca em sons surdos ou sonoros, mas que gritou sonoramente a todos os ouvidos surdos que resistem em ouvir o que os olhos gritam a cada instante, o que os atos gritam constantes ...
Em conjunção, toda solidão é companhia incansável de todos os momentos de sol e sofreguidão ... toda solidão te persegue pela vida que se quer vivida e te faz viver a cada momento o instante de uma eternidade em conjunção com o pequeno e eterno ser que se apresenta a você como terno e se torna eterno em cada instante incessante de alegria que transborda as bordas de todas as resiliências ... e, assim, é terno!

E depois, ah ... depois é depois ... e para que querer saber do depois? Depois a gente resolve o agora que se torna ontem depois ... mas não quero lhe falhar, jamais, que minha dor é perceber que apesar de termos feito tudo, tudo, tudo o que fizemos, nós já não somos os mesmos nem vivemos ... sobrevivemoz.

domingo, 14 de setembro de 2014

LUTO

Natal, 14/09/2014.
Pois bem ... você, que se perdeu de mim em algum lugar de mim mesmo, voltou. E voltou na forma mais amarga que se pode revoltar. Voltou para revoltar a consciência de que há luto e que reluto diante de tudo que pode me trazer luto. Voltou para mostrar que antecipo o luto como maneira de sentir saudade apenas daquilo que se deve sentir saudade, como maneira de provar que não reluto em ser feliz mesmo que para isso tenha de passar por luto e em busca dessa alegria de estar conmigo, não reluto.
Assim, solitário como um paulistano, vou passando e esperando que passem as emoções de lembranças de lutas em busca de não se estar assim: enlutado.  E espero. E desespero ... e sigo sincero e austero em busca daquilo que não espero: sigo, persigo insistentemente por acreditar que não mente aquele que sente amor pela gente!
Entre mentir e omitir há, infelizmente, a necessidade de se resistir a tudo que se quer omitir para não ter de mentir àqueles que nos fazem poder sentir, nos fazem não resistir e nos permitem existir assim: elixir de vida que explode nas bocas úmidas de prazer a alegria de sorrisos arrancados da alma que não resiste e insiste em estar ali persistente e resistente ao insistente querer pequeno, ao querer de tantos outros que nos querem pequenos em nós mesmos, pequenos de nós mesmos e grandes de dores que invadem nossos pequenos frascos de fraquezas e retiram de nossos olhos a beleza de poder olhar para o mundo e nele existir, mesmo tendo de resistir.
Vejo que a alegria de todos e a minha é certa como uma religião qualquer ... e, assim, crente de que tudo deve ser inexplicável como um amor a qualquer deus, me vejo em luto ... estou em luto simplesmente porque acredito em tudo aquilo por que luto ... e
Angustiantemente
Meu luto não
É
Menor, pequeno.

sexta-feira, 22 de agosto de 2014

Fico aqui, me esperando

Natal, 22/08/2014
Hoje, olhei pra você no espelho e não me vi ... estranhei ... e descobri que não vejo eu-você há muito tempo ... descobri que você se perdeu de mim em algum lugar de mim mesmo que não
consigo encontrar ... que não consigo encantar ..
Desencontrei-me de mim e agora sigo sem mim mesmo num eu que anda por ai e se vê apenas em lances momentâneos de instantes poucos de parcas alegrias sorrateiras vistas de soslaio ... e, mesmo nesses instantes, tergiverso .... não olho para mim, olho para um instante incessante de mim que cessou as atividades no momento em que perdi-me de você-eu ... e não sei quando foi, mas foi quando não sei ...
Tantas reticências são esperanças de me encontra nos pontos definidos desse símbolo de vaguidão específica: pontos, três ... pontos inacabados, como inacabado está este eu que ressurge de um canto de mim mesmo que não existe mais ... um eu com raízes que flutuam no incerto que ramificam desesperanças e incertezas e brotam desespero que não ser mais quem sempre fui eu-você.
Onde eu-você está? Procuro por eu-você quando saio na noite vazia, numa boemia sem razão de ser, na rotina dos bares que, apesar dos pesares, não trazem eu-você e lembro-me de quando estávamos juntos eu-você, assim, simbioticamente constituídos no útero de uma mãe tola, de um pai inexistente e de uma esperança de vida que não se conseguiu interromper, porque precisava irromper de um mar de carmas anteriores para cumprir uma tarefa em prestações de vidas conseguidas a custa de outras vidas. Vidas de seres inocentes cheios de penas brancas que os impediam de voar, que os obrigava a cacarejar gritos inaudíveis de desesperos esperados e de esperanças desesperadas ...
Vidas tiradas sem sangue e entregues ao mar ...
Vidas que não suportaram um destino cruel que descruelava meu destino, o destino de eu-você, que se perderiam um do outro adiante e si mesmos ...

Saudade de ti
Intrigante ser que,
Loucamente desesperado por
Vida e vícios,
Irradia vida, amor e
Olhos sem ódio

Estou querendo você-eu de volta ... quer-me inteiro, inteiramente à vontade neste corpo que cresce para os lados e clareia os fios com o tempo que não para de passar e de deixar para trás mais e mais pedaços de um eu que se torna, a cada dia mais você, um desconhecido ... que deixa cada dia mais saudade de mim mesmo, de eu
E por falar em saudade, onde anda você?
Onde andam seus olhos, que a gente não vê?
Onde anda o carinha, que agente descrê?
Onde anda o carinho, que a vida prevê?
Onde anda o mocinho, que a alma não vê?
Onde quer que esteja você, não poderás fugir de mim, combinamos viver sempre assim, juntos ... e não te quero eu longe de mim mesmo ... e sei que você-eu me quer assim, eu-você.

Volte eu!!! Que tô aqui me esperando...

sábado, 26 de abril de 2014

Nem tudo passa ... ou é simples passado

Natal, 26/04/2014.
Vejo que a vida passa e não passam na vida a vida que é vivida com prazer ou dor, ódio ou amor ... passam as pequenas coisas que são voláteis, frívolas, mas não passam as emoções que marcam a alma e constituem-nos como corações de Clarice que batem no mundo ...
Vivi todas as emoções e não deixo de recordar-me de todas aquelas que me fizeram ser o que hoje se faz em mim vida vivida envolvida em vidas sentidas e jamais ressentidas de se ter vivido vividamente ... intensamente ... inteiramente ...
Vivo todas as emoções e não deixo de recordar-me de todas aquelas que me fazem hoje poder reviver emoções ainda não vividas em coração mudo que grita ao mundo sua intensa capacidade de sentir o que quiser, de querer o que sentir e de poder sentir sem se ressentir do que sente ou sentiu ... de sentir simplesmente o que se pode sentir: sentimentos múltiplos de alegrias mútuas e de solidão dividida com pequenos corações que são unidos por sentimentos sem sentido, mas sentidos intensamente ...
Vivi todas as coisas e maravilhei-me de tudo ... e de tudo que me maravilhei, senti saudade em muitos momentos ... sinto saudade em muitos momentos e deixo que a saudade de momentos se torne tempero de novos momentos de futuras saudades ... constituo-me assim: saudade de tudo e de todos e sentimentos por tudo e por todos que me permitiram sentir-me assim: sentimental.
Nas ruas, sinto o prazer do perigo se estar sentido o que queria sentir e sinto que o perigo me sente presente, de mim não se ressente, e continua sendo perigo que enfrento com abraços quentes em línguas quentes que sorvem de meu abraço o calor dos sentimentos que se brotam nas salivas que se encontram em línguas que não gritam nada, porque simplesmente se entrelaçam em abraços de bocas que sorvem uma da outra o prazer de sentir perigo e não ver nenhum perigo em poder correr perigo para viver uma vida perigosamente ...
Emociono-me ao ver que a vida se torna, novamente, vivida em momentos de emoção indescritível e de sentimentos que arrancam sorrisos lascivos de boca que esperava emoções sem se desesperar ... e que, agora, espera sorrisos emocionados por simples olhares ou abraços em tardes em que nada se esperava ...
Emociono-me ao ver que a vida retorna emoções diversas, sensações diversas e razões irracionais de se sentir o que se pode sentir intensamente ... e não me ressinto de nada ... e, assim, olho para o rio que passa sob meus olhos cegos a todo o resto e, de soslaio, vejo o passado presente em todos os momentos ... vejo o passado não ser passado, mas se tornar um presente para minha alma que pode sorrir novamente, sem se esquecer de tudo que a fez um dia poder sorrir largamente pela vida que estava lá, presente no passado e ser um presente no presente...
Assim, vivo em tudo e em todos que em mim viveram ... e me fizeram sorrir para a vida que me permite continuar sempre coração que bate no mundo ... e me fazem ser assim: vida envolvida em outras vidas que me vivem sem me permitir ressentir de nada, mas persistir em ser simplesmente vida ...

Venha, então, passado, sentar-se comigo à beira do rio e ver ressurgir nas águas que passam todo o carinho que encontrei no meio do caminho, venha e se lembre que me constituo de ti, que vivo assim porque passei por ti e não te deixei no passado ... trago-te comigo: presente que me foi dado e me torna, agora, assim ... carinho no meio do caminho.

domingo, 13 de abril de 2014

Pequenos pedaços de vida

Natal, 13/04/14.
Era assim ... andava pela vida e recolhia pedaços de alegria que eram distribuídos por muitos por poucos minutos e me sentia pequeno de alegria e vivia, então, pequenos momentos que me eram permitidos. Tinha, em mim, pequenos desejos de coisas grandes, de grandes emoções e de muitas emoções grandes que o tempo me deu e que guardava no coração que bate no mundo sem me preocupar.
Andava feliz e não reclamava da solidão que me acompanhava pelos dias felizes que me eram dados em doses homeopáticas pelo grande tempo de vida que tinha em minha alma alegre de ter sido alegrada por muitos sonhos realizados e por muitas realizações sonhadas e ainda por vir ... vivia e me sentia assim, grande de minhas emoções e pequeno de tristezas ... não queria não querer, não queria não amar, não queria não poder olhar para trás e dizer que não fora feliz, pois fora, e muito ...
Preparava-me para mais e, então,
Estava preparado para continuar a
Querer sentir e ter todas as emoções contidas em
Um único frasco ...
Esperava com esperanças e
Não desistia de, como já aprendera na vida, aguardar
Outros fragmentos de felicidade que poderiam me invadir ...
... e me deixar estar esperando esperanças que me faziam esperar com esperança de poder sentir a vida sem me ressentir de tudo o que pude ter em meus braços, que pude deter em meus abraços e de tudo que deixei no coração mas tive de desatar os laços físicos ...
Andava por aí, andava por todos os lados e sorria e olhava de soslaio  ...
Nada estava mal, mas estava esperando com esperança,
Desejava poder não esperar mais e – de alguma maneira – sentida meu desejo
Retesado pela vida que me invadia e dava-me, nos dias e noites de solidão, a
Esperança de poder me desencontrar da solidão para continuar de mãos dadas enlaçadas à beira do rio que passava em frente dos meus olhos e me deixava a pular de alegria ao ver-me refletido em suas águas que tremulavam a minha face e me fazia movimentos de sonhos possíveis.
Naquela noite, esperava nada como tudo que espero, não tinha amigos à volta para disfarçar a solidão que me acompanhava e nada estava ruim, tudo estava solidão em mim e não sofria de esperar ... não desesperava também, pois aprendi na vida que esperar é poder não se desesperar ... e continuar a estar estando instâncias de mim comigo e de outros consigo mesmos que pudessem querer não estar só consigo e desejassem partilhar comigo a sua solidão ... esperava quem não se desesperava e que não queria não querer mais ... e lá estava você: pequeno frasco de grandes emoções que precisava apenas de ser aberto para crescer em outro coração que batia, como o seu, no mundo ...
Estamos, então, nos debatendo e recolhendo nossa solidão ao ostracismo ... estamos, ambos, pérolas que habitam corações vazios de solidão e cheios de esperanças de não ter mais que esperar ... esperamo-nos diariamente e não nos desesperamos mais porque esperamos um ao outro invadidos de corações saudosos de um futuro de esperanças.


sábado, 22 de fevereiro de 2014

Vem sentar-se comigo à beira do ri(s)o...

Natal, 22/02/2014

Vem sentar-se comigo à beira do rio para fitarmos o curso das águas turvas que compõem a vida natural, líquida e efêmera de existências solitárias, de almas solidárias e de vidas amargas, que não rimam com nada ...
Sequer enlacemos as mãos para não desenlaçá-las com mágoas criadas pela imaginação infectada de amor vil, de desamor viril, de desesperanças que fazem com que os corações simplesmente batam, e não reguem as veias da felicidade, e alimentem as dores das angústias.
Fiquemos, então, assim, vivendo de momentos que são vividos e não embevecidos em laços de ternura ou pensamentos de candura ... Fiquemos, simplesmente.
Deixe, porém, que a mente resistente não resista aos encantos dos momentos vividos, que a mente sinta o que o coração não consegue e, então, que a vida seja assim, irracionalmente racional ... que todos os momentos poucos sejam muitos e que todos as muitas ausências sejam revestidas de sorrisos arrancados das lembranças de estar ao lado um do outro, olhando o nada turvo de águas passadas e de desesperanças futuras ... mas de momentos ... muitos segundos de alegria arrancadas de beijos nas plantas dos pés, de dedos sorvidos pelas bocas inundadas de desejos líquidos que umedecem pés e mãos desejosos de beijos ... invejosos de beijos ...
Fiquemos assim, sorvendo um do outro os prazeres possíveis, efêmeros ... para deixarmo-nos sós a seguir, cheios um do outro e inundados das lembranças daqueles momentos em que as salivas das bocas embeveciam as almas ...
Talvez tudo isso deva ser dito apenas no singular, na singularidade de apenas um – eu – mas quem se importa? Eu não me importo e você tampouco ...
Deixe-me, então, agora singular, lembrar de ti e a cada lembrança sentir o prazer de perceber meus lábios abrirem-se num sorriso só meu, um sorriso singular ... um sorriso que espera por outro e outro e outro ... e todos os sorrisos permitem que os olhos vejam o mundo com cores mais vivas, sem dores vívidas, mas sentindo os sabores da emoção vivida nos momentos em que ambos fingiam felicidade, em que ambos sentiam felicidade de estarem permeados de prazer, de emoção ... e ausentes de razão que, arrancada pelos prazeres da troca de fluidos, recolhe-se para um canto inatingível da mente, um canto obscuro ...
Ausente de razão, fico. E assim, desrazoalizado permito-me dedilhar palavras que serão lidas por alguns, entendidas por poucos, e sentidas apenas por mim, sem ressentimentos, sem amarguras, sem nada ...
E, ainda assim, sorrindo e dando “Bom dia!” às flores, e adeus às dores.
Sem amores ou dores, rio, e deixo que a emoção turbine meus poucos momentos de irracionalidade ... e sinto-me feliz em saber que, mesmo sem ti, ainda posso olhar o rio nos momentos em que rio, sem perceber que as águas são turvas, que há galhos mortos nas curvas ...

E espero que – um dia – você possa sentar-se comigo à beira do riso.

sexta-feira, 24 de janeiro de 2014

Não quero sugar todo o seu leite ... nem quero você enfeite do meu ser ...

Natal, 24/01/2014.

Quero que respeite o meu louco querer ... e aceite o meu estranho amor ... um amo que reside em mim e que nasce a cada dia fortalecido da ausência causada pelo cotidiano enfadonho da presença amada e da despresença esperada desesperadamente ...
Por isso não quero sugar nem todo o seu leite nem quero os deleites de estranhos amores perdidos nas desalegrias de ter amor e não me sentir amado como gostaria de me sentir ... como precisaria me sentir ... como não queria me ressentir ...
Na vida, vivida e envolvida em vidas embevecidas por alegrias vis e desalegrias viris, recosto minha saudade e saúdo a nova vida encontrada em desencontros e desencantos que nos deixam nos cantos de mundos idiossincraticamente cravados na existência de ser sem ter querido ser ... de querer ser o que não se é e de poder permitir a si mesmo recostar-se na solidão que assola a imensidão da vida e rouba as alegrias incognoscíveis de uma vida que se quis, que se teve e não se quis mais .... mas que se quer mais ...
Assim é meu louco querer: desquerido. Um querer que aceita os estranhos amores das entranhas e entra na subsistência insistente de uma saudade desquerida ... de uma saudade sentida e ressentida de presença vazia que preenchia os dias e as noites tristes da solidão compartilhada ...
Não quero-te presença enfeite do meu ser ... quero-te enfeite presente de meu ser ... quero desorganizar os elementos da sentença para poder sentir-me sentenciado a alegria de existir e resistir a tudo e a todos que não lhe fazem sombra ... quero-te sombra presente da minha alegria que nunca fica nas sombras, que nunca fica com as sobras ... que nunca sobra ... mas que satisfaz a necessidade de ter-se consigo o que se estranha, amor.  Amor, aqui, vocativo. Amor, aqui, invocativo ... presente em orações ditas em sentenças curtas, em alegrias viris e em prazeres solitários com visões de deuses gregos que recostam-se em outros deuses gregos para dar prazer àqueles que não puderam adentrar ao Olimpo ...
Sempre sinto-me forte,
Ansiosamente terno em minha solidão
Nebulosamente entristecido pela alegria de estar sendo sem ter sido
Tacitamente feliz ... mas triste aos olhos daqueles que
Inadivertidamente percebem a aura nebulosa que
Aflora nos sorrisos que disfarçam
Gotas de lágrimas que sequer brotam dos olhos porque retesadas pelo
Ontem que não conseguiu suplantar a ânsia de sentir-se feliz ...
... pela necessidade de sentir-se feliz, infelizmente.
Presença que enfeita meus sorrisos invisíveis em momentos de terna tristeza ...quero-te feliz ... quero-me feliz ... felizmente.

E assim, volto a ser eu mesmo: pessoa só. Uma só pessoa que não quer nada além do que pode ser querido .... e que quer ser um ser querido de maneiras que não enfeitam o ser, mas que enfrentam com o ser a vida que não é deleite, que não á aceite, mas que, igualmente, não é acinte, mas assente ao que é possível ... mesmo que não seja pro silvio ...

sexta-feira, 22 de novembro de 2013

Não tenho medo de morrer... tenho medo de não ter vivido ...

Natal, 22/11/2013.
Quando olhos para os lados e vejo que a vida passa a passos largos e deixa em minha alma suas pegadas, sinto-me vivo.
Carrego em mim os quelomas que me foram dados pelo prazer de poder sentir sem me ressentir, de querer sem ter – na verdade – querido tanto, mas sendo quisto por todos os que quis e tendo querido ser quisto por todos os momentos que não quis ter, mas tive sem querer ...
Carrego em mim o desejo de morrer de um eu que não existiu por muito tempo, mas que resistiu tempos infinitos em secretos semblantes de verdades não ditas porque desnecessárias no momento verdadeiro em que se faziam presentes os quereres que todos os outros que vinham querendo ter verdadeiros momentos de vida e morriam de desejo de poder sentir que a vida estava sendo mortalmente vivida, intensamente assassinada de todos os desgostos para regozijar em alegrias vívidas ...
Não, não tenho medo ... não tenho medo de nada que a vida possa me dar, mesmo que seja a sua ausência ... aquiesço aos momentos e às perdas que me são dadas pela vida porque isso é viver ... viver e não ter a vergonha de sentir o ódio e a malícia de não me ressentir de todas as culpas dos outros que me trouxeram vazios intermináveis que se esvaiam em momentos de alegrias dadas gratuitamente por gentes que simplesmente queriam um pouco mais de vida ... de vida que fosse vivida intensamente, que fosse vivida imensamente, e que trouxesse imensos vazios em mim que pudessem não ser preenchidos com nada além do meu desejo de manter o vazio ali, cheio de todos os meus medos e de todos os meus desejos insensatos que sensatamente eu queria manter ...
Sim, este sou eu que aqui estou para ti como sempre estive: nu.
Nu de mim mesmo e vestido de todos os eus que me querem os outros vestido, revestido, investido, travestido ... desses todos eus que me são impostos, mantenho a alegria de poder desnudar-me a cada momento         que vivo em mim e de mim tiro a alegria de poder, de certa maneira, ser um pouco mais assim: medroso de vidas vazias de sentimentos. Medroso de sentimentos vazios de vidas cheias de nada que são, para esses que apenas tem esse monte de nada a lhes preencher, um tudo em todos.
Cá estou, sem medo ... porque penso que estou a viver os momentos perdidos em mim que jamais tive medo da única coisa que tenho certeza: vivo!
Vivo?
Oi? Cê tem alguma dúvida?
Claro!!!
Então, Tim Tim ... eu também!


terça-feira, 11 de dezembro de 2012

Há dor. Há dor, ardor eu sinto ... e daí??!!


Natal, 11/12/2012.
Passei um tempo sem estar aqui porque não queria estar nem aqui, nem ali, nem acolá. Queria poder deixar de estar tudo o que sempre estive para simplesmente sentir a dor. Sentir tudo o que a vida pode deixar-me sentir, sem ti.
Há coisas que a gente sente simplesmente sem querer explicar. Há coisas que acontecem na alma que calam todos os gritos de nossas entranhas estranhas. Há. Simplesmente há. Há dor.
Há dor que me faz chorar ao ver uma propaganda que lembra ti. Uma propaganda que me faz lembrar de ti sem que você sequer existisse quando ela foi criada. Há algo que subsiste nas minhas entranhas de ti que não sei explicar, não sei porque simplesmente há, e se “há” nada deve ser explicado. E  não há nada que faça com que esse existir substanciado em “há” me faça esquecer que “há” você, que  “Ahhh! Você!?!”. Nem que me faça esquecer que tudo o que há em você continua ainda por aqui, por aí, vil, viril, senil, mas em ti. Em ti somente. Em ti que só mente. E na mente – minha – que, muitas vezes, mente não estar em ti para poder sobreviver à vida que clama por razão e me obriga a esquecer a emoção em prol de um afastamento da comoção de me sentir preso a ti. Preso porque há ti. Ti há. E, nesse desespero, reconheço ... eu não posso tirar o que há em ti de belo em prol de uma carência senil de um quarentão que não mais se reconhece no espelho e que, para os outros, não reconhece o que espelha.
Passei esses meses sem querer me esquecer de ti, sem querer me esquivar de ti, mas sem querer – igualmente – estar em ti. Passei. Passei porque precisava estar em mim e sentir o vazio que em mim habita ... precisava saber se é melhor estar vazio de mim mesmo do que estar vazio em ti. Precisava. Precisava saber que o vazio contigo era como estar vazio das esperanças de estar cheio de ti. Mais do que isso, precisava saber que não poder ter em ti, nem ver ou sentir em ti a completude de uma vontade, nem uma necessidade de ser apenas um alguém que signifique mais do que um compromisso, poderia significar a minha significância... 
Isso mesmo, uma significância que poderia ser entendida como uma mera arrogância ou uma banal desistência ... mas que seria uma forma de eu ser. De deu sentir que “para mim ser” seria preciso abdicar de uma fração de mim e de outra fração de ti. Ambos, tu e eu, estaríamos desfracionados, mas estaríamos fracionados em pedaços compostos de mais elementos de mim e de ti que se consubstanciariam capazes de subsistir sem ti e sem mim. Elementos que seriam anacrônicos, anatômicos ... anais e atômicos ... e que subsistiriam sem insistirem em nada, pois seriam nadas que são tudos .. são ervas, ervas alucinógenas ....
... paz sem meses. Na verdade, sei que tudo isso é uma forma de
Saber que a vida é
Assim, sem muitas coisas, sem
Nada. E, ao mesmo tempo, com
Tudo. Tudo o que se espera.
Isso mesmo. Tudo o que de ex, se espera.
Antes, nada esperava. E era feliz.
Gostava de estar feliz sem nada, pois
Outras coisas me completavam ... e nada era o suficiente, pois
tudo era insuficiente ... insipiente ...e tudo isso eu não queria explicar.
Queria simplesmente sentir a vida que surgia e insurgia em mim ... queria estar contigo e poder contar contigo.
Será, menino do rio – cheio de calor que não mais provoca arrepios – que a sua fortaleza se esvaiu na minha impossibilidade de estar contigo? Será, menino de Fortal ... que a esperança - a última que morre - resolveu sussurrar um silêncio sepulcral em nossas veias vis?
...
...
Foda-se. Ainda tenho mais uns oito anos de vida em que posso encontrar mais do que uma esperança. Posso ser eu mesmo, sem oito anos a mais...
Sem dor a mais ... porque não há mais dor.
Há... há penas, e apenas há pouco tempo eu nem sabia disso... e não era feliz e ninguém estava morto... estavam, todos, arrogantes, elegantes ... ... e banais. Bucólicos.
Morrera um ícone. E, com ele, morrera um anônimo: eu. E, em seguida, outro anônimo: Tu. E ambos foram enterrados como indigentes: gente que não tem twitter, nem facebook, nem Orkut, nem badoo, nem linkedin ... gente sem nada. Apenas gente com vontade enorme de ouvir um "Bom dia!”, mas um "bom dia genuíno” ...
Como me sentiria? Não quero explicar. Mesmo porque, você já entendeu .... e, se não entendeu ... parabéns: tô morto de inveja de sua ignorância que, infelizmente, o tempo me roubou .. e nem teve Boletim de Ocorrência. Aconteceu ... e permitiu que você me lesse... e pudesse dizer tudo sobe mim e minhas ideias... e, a invés de reclamar ... agradeceria pela preocupação com a sua imagem.
Xero (coisa genuinamente nordestina)

sábado, 13 de outubro de 2012

Caótico ... cá ótico ... cá ótimo (ou não)


Natal, 13/10/2012.
Um abraço, um chêro, um bom dia ... e ninguém ainda se levantou da cama. Desejo de muitos, possibilidade de poucos, inspiração para muito poucos ... e muitos outros poucos  - que desejam estar assim, que desejam ser assim, um nada além de dois corpos unidos pelo calor da cama, pelo amor do sono, pelo silêncio do “Te amo” gritado no vazio do sorriso matinal – ainda esperam a vida vidar seus sorrisos e soçobrar suas desesperanças, transformando-as em simples esperanças que esperam tudo chegar sem ter de lutar muito,
Sem ter de gritar muito,
Sem ter de mudar muito,
Sem ter de silenciar muito,
Sem ter de muito nada.
... e ser um muito de tudo.
Cá estou. Estou cá ... caótico!
Caótico de vazios que enchem as sombras de um corpo que, sem fumaça, se enche mais e mais ... Caótico de esperanças de poder liquidar com tudo e com todos e me transformar em líquida modernidade tardia que rompe todas as barreiras e invade a constância de todos os nós que em nós habitam  ... Caótico de poder fazer tudo o que quero e de não querer fazer nada que posso... nem devo ...
Cá... ótico porque tudo o que consigo é olhar para os lados e ver nada, olhar para trás e ver que tudo se foi sem deixar nada ... de olhar para o passado e ver que tudo passou, sem passar meu amor  ... e perceber que todos os amores que passaram foram amores vis, viris e infantis, que duraram o tempo necessário para nos satisfazer, mas se mostraram incapazes de serem eternos depois que duraram ... e duraram o quanto puderam ... e foram duros no fim.
E, em alguns casos, não houve, ainda, o fim, mas o desejo de findar o que se precisa findo, de se findar o que não se pode precisar exatamente o que é ... o quem é ... e nem se se quer mesmo findar ... mas que se findará mesmo assim.
Cá. Ótico. Expectador de uma vida esperada, à espera de uma vida de expectativas ... Cá, ótico. Assim, sem poder enxergar o que está à frente, e por quê?
Porque não sei ... ou melhor, sei:
porque quando chega um abraço, um chêro, um bom dia ... e ninguém ainda se levantou da cama, a cama fora maculada pela dor da solidão, pelo descaso da desatenção, pelo desgosto de sentir a lembrança de que tudo o que se quis esteve lá, mas não se consolidou .. . e com solidão tudo restou corações cheios de vazio. Vazio preenchido pela presença de duas pessoas que partilhavam a solidão de ambos, juntos.
Solidão compartilhada.
Por isso tudo é caótico. Tudo é sem sentido. Tudo é cem sentidos. Muitos sentidos de todas as coisas que não conseguem significar .. mas que significam um tudo de esperanças de um futuro de coisas queridas, desejadas, esperadas e espalhadas por todos os lugares que os olhos alcançam ... assim ... ótica que consolida desejos de almas cheias de vazios de corações que batem no mundo.
Por isso tudo é cá ótico: apenas visões de luzes que ressurgem das nuvens espalhadas ... nuvens de algodão que sorriem para um ser que olha o sol e simplesmente sente o desejo de poder ser algodão que flutua no ar e esconde a luz distante de um sol que brilha ... nuvem que flutua protege as peles dos povos que estão abaixo ... nuvem de algodão... mas não apenas uma, mas várias, várias, várias nuvens plurais que algo dão.
Algo dão que conforta as dores, algodão sólido que se enche de álcool e esteriliza os amores que não evaporam  ... algo dão que devolve as cores aos corações que batem no mundo ....
E se imaginam aqui . Se imagina cá, singular novamente.
Cá, ótimo...
porque simplesmente à espera de um abraço, um chêro, um bom dia ... e de que ninguém tenha de levantar da cama, porque o tempo do prazer não é silenciado pelos tic tacs dos relógios que batem no mundo ... e silenciam os gritos de solidão
ou não... 

quarta-feira, 10 de outubro de 2012

Non, Je Ne Regrette Rien


Natal, 09/10/2012
Depois de olhar para os lados e perceber que nada do que você foi, foi contigo embora, me pego a pensar nos momentos em que estivemos a compartilhar sofrimentos e alegrias mútuas, a compartilhar desejos de futuros diferentes juntos e a, aos poucos, perceber que nada do que fazíamos fazíamos para ambos. Tudo o que tínhamos eram pedaços de mim e de ti, juntos, e separados...
Separados pelo tempo de existência ...
Separados pelo medo de desistência ...
Separados pelo medo de insistência ...
e ...
Separados pelo meda da subsistência ...
Nada disso me faz pensar que não estar contigo agora invalida o estar que estivemos sem estar porque estávamos instados de outros quereres intangíveis e de desesperos ininteligíveis aos olhos de quem amava ... e odiava como toda a gente ... e que, como toda a gente, percebia que tudo era igual ... Nada ...
Nada e nada e nada e nada disso me faz sentir que me arrependo. Não! Não há arrependimentos ...
Na minha cabeça, ouço uma música velha que velha meus olhos e faz-me ficar aqui, venhando como tantos outros que envelham com o tempo e deixam que o tempo passe sem que ajam como precisam ... ecoa na mente apenas um
Non... rien de rien...
Non... je ne regrette rien
Ni le bien qu'on ma fait,
Ni le mal - tout ça m'est bien
égal!
O que haveria de le bien ou de le mal  qu’on ma fait ???
Tudo resta aqui como lembranças que molham meus olhos vez por outra, de lembranças que intumescem meus poros vez por outra, de lembranças que molham minha boca com saliva a espera de seu beijo vez por outra, de desesperanças que maculam minhas lembranças de alegrias vez por outra ...
Tudo vez por outra demais ... tudo demais vez por outra ... tudo como sempre foi: parco, pouco, pífio ... tudo como sempre tive: migalhas de carinhos recebidos, migalhas de quereres recebidos,  migalhas de desejos desejados, mas muito muito muito muito muito de amores e de palavras de carinho que representam a carência que eu supro no outro com a minha própria.
Non, je ne regrette rien ...
Nem das difíceis noites em que passo em claro a me lembrar do seu corpo a aquecer o travesseiro ao lado …
Nem das noites em que não me lembro de nada ao lado ...
Nem dos lados que as noites ao seu lado me fez revirar, fritando no colchão como alho em óleo quente ... gritando por um pouco de paz ...
Nem de nada ... je ne regrette rien ... porque estou aqui, assim, mais eu, menos você, mais você em mim, mais mim em você ... e continuamos únicos: corpos e mentes solitários que arrancaram pedaços de si para ar ao outro e trouxeram do outro pedaços que não foram arrancados, mas cedidos pelos carinhos trocados em momentos sutis, vis, viris ...
Rien de iren pode ser mais importante do que saber que estive você e que você esteve eu: estivemos. E disso, e de tudo o mais, je ne regrette.

terça-feira, 9 de outubro de 2012

Porque você não está aqui.

Natal, 09/10/2012.


Sempre que olho para os lados e vejo que, quando você se foi,  nada restou além de pareces amareladas pelo tempo, tintas que abandonam as paredes, e cores acinzentadas de bolor que cobrem o branco que antes assistia a nossa união, me pergunto o porquê de você não estar mais aqui ... e me respondo: porque sempre esteves aqui em inteirezas: inteirezas de metades suas e de outras metades que arrancavas de mim ...
Olho para os lados e enxergo o vazio que sai de mim e me deixa oco, mais vazio, e preenchem os espaços igualmente vazios de esperanças que – de soslaio - assistem a solidão invadir toda a casa e penetrar na alma de quem tecla palavras vazias, em teclados vazios, para olhos vazios que vão passar pelas palavras e escutar um nada que grita no silêncio da desesperança de poder estar aqui, contigo e com tudo.
Com tudo
Com tudo
Contudo não há nada contigo, nem nada com tudo. Tudo o que há é você e eu. Eu sem você. Você sem mim. E tudo continua ... continua a ser o que sempre foi: silêncio barulhento que perfuma os ouvidos; lágrimas secas que tateiam o olfato; salivas secas que umedecem a visão; odores doces que invadem a alma e arrancam sorrisos dos dedos que tateiam o infinito.
Tudo continua esperanças de novos desencontros pelo caminho cujas pedras foram arrancadas pelas enchentes de lágrimas solitárias que banharam, por inúmeras vezes, as maças do rosto que enrubesciam com o suor do desejo de estar apenas ali, fazendo nada,
Nada fazendo, mas fazendo tudo que o nada permite e, ainda assim ... fazendo ... na esperança,
E esperando que nada tivesse acontecido de ruim para aqueles momentos sabidamente efêmeros e ternamente esperados por anos a fio ... que chegaram no final do ano, para ficar por poucos anos ... e depois ir embora, deixando aqui a importância de se ser fiel a um ideal solitário, a um solitário ideal

Com desejo de partilha, de partilhar, de parte ilhar ...
Ou esperança de não partir, ou partir
Mas sempre par...
Par de ficar lá e cá,
Aqui e ali, esperando os 
Nós se desatarem, seja quando for ...
Hoje e amanhã
E depois de amanhã:
Indiferente.  Mas não foi assim que se deu e
Restei-me aqui
Infeliz, mas consciente do que é preciso fazer
Solitário, mas acostumado com o nada que exala apenas de mim
Moroso, e ainda  assim caminhando ... caminhando ...
Ostra a ficar no fundo do mar na esperança de um marinheiro que a apanhe.

Estar aqui não pode mais você ... mas resta você aqui: pedaços quebrados de esperanças coladas por lágrimas que rompem os olhos, inundam as pálpebras e escorrem rosto a fora para encontrar na boca, a saliva. A saliva do desejo de você, que se amarga – você e a saliva – com as lágrimas que arranca de olhos que enxergam o nada, o vazio. Vazio que preenche os dias, que ilumina a alma tenra ... e eterniza a esperança de novos habitantes para os olhos e, quem sabe, a cor, a ação ... e o coração.

sexta-feira, 21 de setembro de 2012

Não vou lhe beijar, gastando, assim, o meu batom


Natal, 21/09/2012.
Entre, razão. Assim penso e assim vivo a vida que suplanta um coração que bate no mundo e sente a vontade de gritar aos quatro ventos que há tenho coração que queria ser um peixe para em seu límpido aquário mergulhar e fazer borbulhas de amor .... passar a noite em caro, longe de ti.
Assim, entre intertextualidades sem sentido e sentidos sem qualquer textualidade, vou vivendo essa vida vazia de ti e cheia de desesperanças deixadas por um pedido de adeus que a Deus pertence ...  uma simples necessidade se sobreviver, se subsistir a todas as intempéries que a idade traz ... e nos impede de correr atrás de nossos desejos de vida ... desejos de estares e de desestares ... mas desejos vívidos, límpidos e capazes de serem sentidos na brisa do mar que sopra desesperança ...
Por isso não tenho em meus lábios as cores que marquei com o batom da esperança ... com os bastão das desesperanças .... tenho, por outro lado, apenas uns lábios que suplicam um pouco de cor que só podem brotar de seus olhos marejados de lágrimas de esperança de voltar atrás e de ser capaz de não deixar que tudo fique para depois ...
Então, porque não vou lhe beijar gastando assim o meu bato?
Talvez não queira lhe beijar ... e deixar que tudo se repita num nada frequente e numa vida de desesperos intermitentes que brotam da sua insanidade, da sua insaciedade, da sua insapiência ... da sua in ... in ... in... in qualquer coisa que me exclui de ti, para me incluir nas suas carências, na suas dependências e na cobrança de que a minha independência sucumba a sua carência decadente .. a sua decadência ... a sua dez cadência ... e a sua des cadência. Sim, a sua irregularidade ... ou  a uma irregularidade regular que regula a sua vida .... e pede que a minha seja desregulada ...
Talvez não tenha eu mais batom nos lábios para colorir um sorriso apagado pelas dores de querer continuar sorrindo, mas dever continuar sofrendo pelas intempéries de subsistir na ânsia e poder ser colorificado pela coloração dos amores que vêm e vão sem deixar qualquer impressão de cores vívidas ... e que deixam uma carga de pretos e brancos que se intercalam em tons de cinza ....
 Decididamente ... não vou lhe beijar ... nem vou gastar assim, o meu batom ... resta saber o porquê de tantas reticências.... de tantas reminiscências ... quem sabe eu não esteja apenas esperando que você queria gastar o seu batom em beijar-me descompromissadamente .... ou não.

quarta-feira, 15 de agosto de 2012

Sobras de vazios cheios de dor...


Natal, 15/08/2012.
Silêncio. Olho para os lados e tudo o que vejo são os nadas que consomem todo o espaço vazio e preenchem de desespero a esperança que se esvai nas sombras de nuvens invisíveis e chuvas que secam as alegrias de todos os outros que não estão aqui.
Barulho. Salivo desejos desesperados de estar em algum lugar em que eu não esteja, em algum lugar em que eu não seja obrigado a conviver comigo e a escutar os gritos dos meus silêncios com cheiro de alegrias passadas ... silêncios secos e cheios de nuvens empoçadas no desespero de seus e meus desejos de dez esperar, e esperar por dez, dez, dez, quarenta anos sem estar capaz de esperar mais que salivas.
Barulho no silêncio. Os olhos salivam a alegria de poder chorar sabores ácidos e desejos ávidos, ou sabores ávidos e desejos ácidos, não sei. E também não quero ter certeza se são ácidos ou ávidos, porque basta-me saber que são desejos salivados por olhos esverdeados de desesperos amarelados pelo tempo em que tiveram de esperar sem poder desesperar, especialmente porque sempre conscientes de que jamais poderiam dez esperar.
Silêncio no Barulho. Gritos, ruídos, gemidos, sussurros, assovios, silvos, relinchos, miados: sons audíveis aos surdos que emprestam a todos os outros que gritam nadas ao vento a esperança de poder dizer algo com os dedos, de dizer algo e poder dizer sem que nenhum som chegue aos ouvidos de ninguém                                   ...                                                       e mesmo assim todos ouçam os gritos que saem dos gestos movidos a emoção e motivados por silêncios eternos e ternos silêncios que permeiam almas que falam, e moram em corpos silenciosos.
Perfume. Sinto o verde dos olhos amarelarem no desespero de ver o tempo passar, as pupilas dilatarem e as papilas se deleitarem com as cores saborosas que invadem com seu cheiro o gosto de todos os saberes que estão (in)disponíveis para aqueles que pretendem estar sozinhos e que buscam entender a solidão que só lhe dão porque não consegue esquecer que nasceu para estar só ... que só nasceu para estar sol em um sistema só lar em que reside solitário, e não vê nada a sua volta ...
Nada...
... nada exceto os gritos que saem das paredes para penetrar nos olhos amarelados pelo tempo que contemplam os cheiros que exalam da saliva que verte dos olhos que contemplam o silêncio.